Para uma maior convergência do setor da comunicação e publicidade, APAME e APAP assinam protocolo para defender objetivos comuns
APAME e APAP acertam agulhas
Para uma maior convergência do setor da comunicação e publicidade APAME e APAP assinam protocolo para defender objetivos comuns
 
 
A Associação Portuguesa de Agência de Meios (APAME) e a Associação Portuguesa de Agências de Publicidade, Comunicação e Marketing (APAP) celebraram a 9 de Agosto de 2013 um protocolo que inicia a cooperação entre as duas associações de forma a conseguir uma maior convergência do setor da comunicação e publicidade.
 
O protocolo surge do reconhecimento dos objetivos comuns entre as duas entidades, que lhes permite colaborar e partilhar sinergias, ferramentas, conteúdos e conhecimento, com vantagens quer para as próprias associações, quer para os respetivos associados. Desta forma, pretende-se que as duas associações tenham um papel ativo, independente, interveniente e construtivo no desenvolvimento do setor em Portugal.
 
Como resultado desta cooperação, a APAME e a APAP passarão a partilhar das mesmas instalações e de todo o respetivo suporte administrativo. Por outro lado, com vista a um maior aproveitamento, gestão e racionalização e interação, as associações partilharão o mesmo secretariado geral. Assim e, tendo em conta este protocolo a atual secretária da APAP, Sofia Barros, irá assegurar também o secretariado da APAME, em total posição de igualdade entre as duas associações.
 
Esta sinergia entre as duas entidades vem na linha dos esforços já desenvolvidos pela APAP no sentido de conseguir uma maior convergência do setor. Miguel Barros, presidente da APAP, comentou: “Com esta cooperação, queremos assegurar a representatividade dos interesses dos associados tanto da APAP como da APAME, numa perspetiva de valorização do papel das agências de meios, publicidade e comunicação no seu todo. Desta forma, queremos contribuir para a valorização do setor, sendo uma voz mais ativa entre os players do mercado.”
 
O presidente da APAME, André Freire de Andrade, ressalva “a preocupação de preservar e alimentar uma relação de parceria, sólida e consistente, que seja frutuosa e eficaz, sempre numa lógica bilateral e mutuamente benéfica”. Continua: “Consideramos fundamental e prioritária a discussão conjunta dos temas atualmente mais críticos e desafiantes para toda a indústria. Apenas através da união de esforços e do debate construtivo será possível procurar soluções e caminhos de futuro.”
 
Este protocolo visa reforçar a faceta de entidades de promoção da auto-regulação e de referência ética da atividade e do setor de ambas as associações. Desta forma, pretende-se desenvolver práticas que impulsionem o bom relacionamento entre associados, e com os principais stakeholders do sector, nomeadamente os anunciantes e os meios, promovendo os princípios éticos e as relações de transparência.